QUEM SOU EU

Minha foto

Sou MÃE, Psicóloga, Consultora de Treinamentos e Desenvolvimento, Terapeuta Corporal Holística, Massoterapeuta e Professora de Yoga. Trabalho com diversas Técnicas das Terapias Alternativas e complementares, dentre elas o Reiki, Calatonia, Reflexologia, Cromoterapia, Quick massage, Auriculoterapia, Massagem Ayurvédica, Massagem Indiana, Massagem para Idosos, Gestantes e Bebês, Técnicas de Relaxamento, Drenagem Linfática, bem como medidas de prevenção e cuidados com a pele do rosto, mãos e pés através de máscaras de limpeza e hidratantes naturais, sendo que todas são voltadas para a área da saúde, proporcionando bem estar e qualidade de vida. Esforço-me ao máximo para atingir ótimos resultados para a empresa e seus funcionários, bem como a melhoria continua da qualidade de vida e criação de um ambiente de trabalho estimulante e motivacional.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Hormônios do parto


Acho interessante compartilhar isso com vocês, pois nem todas as futuras mamães sabem disso. Quando fiquei grávida de meu primeiro filho, tive acesso a muitas informações pela internet através de pesquisas, mas obtive também através da minha amiga e doula Thati, e acho interessante compartilhar com vocês para não serem enganadas como muitas mamães são nesta hora mágica do parto.

Ocitocina
- A ocitocina é o hormônio do amor, da calma e da conexão. Ela conduz a sentimentos de amor e vinculo.
- É responsável pelas contrações no trabalho de parto - No trabalho de parto a ocitocina vai para o cérebro do bebê e desliga as células cerebrais, assim a demanda por oxigênio é bem menor, num momento crítico, quando o útero usa muito oxigênio.
- Relacionamentos de confiança nos fazem produzir mais oxitocina. Por exemplo: a presença de uma doula, o acompanhante, a parteira.
- A ocotocina é produzida pelo hipotálamo, localizado bem no interior do cérebro mamífero (chamado sistema límbico).
- A ocitocina é estocada na parte posterior da glândula pituitária. Ela é liberada em pulsos na corrente sanguínea da mãe, isto leva ao ritmo ondulante das contrações no trabalho de parto. Cada pulso representa uma contração.
- Os níveis de ocitocina sobem na gravidez, para deixar a mãe sonolenta, relaxada e para reduzir os efeitos do stress. Também ajuda na digestão e na absorção de nutrientes.
- É responsável por mediar o reflexo de ejeção do feto durante o parto.
- A ocitocina é um hormônio tímido, seus níveis sobem ao máximo quando nos sentimos seguros/seguras, não observadas e quando temos privacidade.
- Ela é responsável por manter a mãe relaxada e bem nutrida durante os 6 meses pós –parto.
- É um excelente agente anti-stress.
- É responsável por mediar o reflexo de descida do leite e é liberada em pulsos a medida que o bebê suga.
- No orgasmo masculino, é responsável pelo reflexo de ejeção do esperma e no orgasmo feminino contrai o útero atraindo o esperma pelo colo do útero, em direção ao ovulo.
- È responsável por ajudar a mãe a transcender a dor. Ela reduz a dor.

Prolactina
- É o principal hormônio da produção do leite materno.
- É o hormônio da submissão e da entrega. Altos níveis de prolactina ajudam a mãe a colocar as necessidades do bebê em primeiro lugar e a tolerar a monotonia.
- Os níveis de prolactina aumentam na gravidez e diminuem no trabalho de parto. Depois sobem no final do trabalho de parto.
- É o hormônio da maternagem carinhosa e cuidadosa.
- Ela também é produzida pelo bebê após o parto, e em altos níveis.

Beta-endorfinas
- São opiáceos naturais, fabricados pelo hipotálamo e em outras partes do sistema nervoso.
- Atingem altos níveis na gestação e aumentam no trabalho de parto.
- Os níveis de beta-endorfinas de uma mulher em trabalho de parto são similares aos atletas homens durante exercícios extremos.
- As beta-endorfinas contribuem para preparar os pulmões do bebê para a amamentação.
- Elas induzem sentimentos de prazer, euforia, e dependência mútua entre mãe-bebê e homem-mulher.
- Também são importantes na amamentação. Seus níveis atingem um pico em 20 minutos após o início da mamada. Elas também estão presentes no leite materno.
- Estão estocadas na parte anterior da glândula pituitária. A liberação da ocitocina pela parte posterior da glândula pituitária leva a liberação de beta-endorfinas na corrente sanguínea da mãe.
- Beta-endorfinas, podem inibir a ocitocina, para que as contrações desacelerem/diminuam quando a dor ou o stress estejam em níveis muito altos. Isto regula o trabalho de parto, para ajudar a mãe a lidar com a situação.
- Facilitam a liberação de prolactina durante o trabalho de parto, preparando os seios da mãe para a amamentação.
- Altos níveis de beta-endorfinas estão presentes no sexo, na gravidez, no parto e na amamentação.
- Ajudam a mãe a transcender a dor e entrar em estado alterado de consciência, em um parto sem interferências.

Este texto foi repassado pela minha querida amiga e doula Thatiane B. Menendez, que é Fisioterapeuta, educadora perinatal, massoterapeuta, naturopata e doula.
www.espacoabertto.blogspot.com