QUEM SOU EU

Minha foto

Sou MÃE, Psicóloga, Consultora de Treinamentos e Desenvolvimento, Terapeuta Corporal Holística, Massoterapeuta e Professora de Yoga. Trabalho com diversas Técnicas das Terapias Alternativas e complementares, dentre elas o Reiki, Calatonia, Reflexologia, Cromoterapia, Quick massage, Auriculoterapia, Massagem Ayurvédica, Massagem Indiana, Massagem para Idosos, Gestantes e Bebês, Técnicas de Relaxamento, Drenagem Linfática, bem como medidas de prevenção e cuidados com a pele do rosto, mãos e pés através de máscaras de limpeza e hidratantes naturais, sendo que todas são voltadas para a área da saúde, proporcionando bem estar e qualidade de vida. Esforço-me ao máximo para atingir ótimos resultados para a empresa e seus funcionários, bem como a melhoria continua da qualidade de vida e criação de um ambiente de trabalho estimulante e motivacional.

sábado, 12 de abril de 2014

Hoje você já comeu Brócolis Ou Florzinha como diz meu filho?

Segue informações sobre este vegetal tão rico em nutrientes!!


Classificação Científica:
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Brassicales
Família: Brassicaceae
Género: Brassica
Espécie: Brassica Oleracea


Na foto, minha filha dando o exemplo!!

O Brócolis é um vegetal cujas folhas, flores e talos são comestíveis.
É um alimento rico em cálcio (importante para a formação e manutenção dos ossos e dentes), bem como uma boa fonte de vitaminas A e C.
Também apresenta ácido fólico (indicado para gestantes), selênio e potássio.
A produção de brócolis ocorre durante todo o ano, e pode ser utilizado de forma refogado, em sopas, gratinado, no forno, tortas, suflês e saladas.
Este vegetal é originário do continente europeu.
Ao comprar, deve-se dar preferência aos bem verdinhos.

Extraído do Guia dos alimentos vegetais, Rodet, Jean-Claude - Editora Gradiva

Dani Prem



sexta-feira, 11 de abril de 2014

Dica de Óleo Relaxante


4 colheres de sopa de óleo vegetal de Germe de trigo
2 gotas de óleo essencial de Lavanda
2 gotas de óleo essencial de Gerânio
Misture os óleos em recipiente de vidro ou louça e esta pronto para ser usado.

Você pode aplicar com massagens circulares em locais de tensão ou por todo o corpo, pois além de relaxar, estará cuidando da sua pele, pois o óleo vegetal de Germe de Trigo é muito nutritivo e rico em vitamina E, com propriedades antioxidantes. É um grande aliado no combate aos efeitos nocivos dos radicais livres na pele, retardando o envelhecimento, devolvendo a vitalidade e fortalecendo os vasos sanguíneos evitando a ocorrência de varizes.

Price, Shirley. Aromaterapia para doenças comuns. Ed.Manole.


Dani Prem


Exercícios e alongamentos para a gestante

Orientação importante para executar os alongamentos:


  • Inspire antes e expire durante o alongamento de cada seguimento.
  • Mantenha o alongamento por trinta segundos com respiração natural.
  • Cuidado seus ligamentos estão mais elásticos devido aos hormônios.
  • Alongue-se sem hiperestender os seguimentos musculares e tendinosos, preservando as articulações.


Sequência de exercícios e alongamentos com a bola:


Mamães mantenham as pernas bem afastadas e os pés bem apoiados no chão. Na sequência faça movimentos de balanço com o quadril para a direita e para a esquerda, para frente e para trás, rodando a bola para massagear o assoalho pélvico. Este exercício promove a consciência do assoalho pélvico e da pelve, libera tensões da região lombar e pelve e pode ser usado durante o trabalho de parto, pois alivia a dor das contrações e ajuda no encaixe do bebê.


Intensifique os alongamentos da lateral do tronco executando movimentos com a bola e com o tronco para os quatro lados (direita, esquerda, frente e trás).

Feito esse início de alongamentos descanse um pouco e tome uma água para hidratar...

No próximo vem mais alongamentos...

Dani Prem

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Vamos divulgar...Projeto do BEM...





Pessoal, hoje venho divulgar um trabalho voluntariado, feito com muito amor por uma amiga minha a Gabriela Braga e mais duas amigas dela a Paula Grangeiro e Karina Lailla, e elas estão precisando de doações, então quem puder por favor ajude...

Segue a página do Face para curtir o trabalho delas e para maiores informações de como enviar as doações...



Faça o bem para colher o bem!!

Fica a Dica!!!

terça-feira, 8 de abril de 2014

Disciplina é fundamental

Esta palavra DISCIPLINA, nos acompanha incansavelmente em todas as áreas de nossa vida, no entanto, se soubermos usar este recurso, poderemos alcançar condições de desfrutarmos da melhor maneira possível todas as fases que vivemos, sejam elas boas ou ruins!
Que jogue a primeira pedra quem um dia não foi a acadêmia por preguiça; Ou falou que recomeça o regime na segunda; Ou que vai diminuir o doce; 
Mas o que eu quero compartilhar com vocês é uma reportagem que eu li na revista crescer, achei interessante. E para as mamães e papais de plantão que não conhecem ou não sabem como implantar isso no dia-a-dia dos seus pequenos, segue algumas dicas práticas, fáceis e objetivas. 
Lógico que educar uma criança não é fácil, pois você se põe em teste a todo momento, e você procura ensinar o que aprendeu, no entanto se você não gostou do que aprendeu, procurará outros exemplos para colocar em prática, levando em conta o seu ponto de vista, porém lembre-se, que também há a vista de um ponto, e vai depender do local, época, valores, cultura e crenças que você estiver inserido. E que quando se trata de educação de uma criança, cada um dá o que tem naquele momento, e o que é certo para um, pode não ser certo para o outro, o importante é o praticar o NÃO JULGAR o outro em sua forma de ensinar.

Segue a reportagem:
Há crianças mais geniosas, outras mais tranquilas. Existem pais mais firmes, outros coração mole. Por isso, a maneira de estabelecer limites que funciona para um, pode não funcionar para o outro. Cabe aos pais descobrir como seu filho reage melhor! Confira abaixo alguma dicas:

Rotina
É o momento de mostrar quais são as regras da casa, desde bebê. Saber que, todos os dias, ele vai tomar banho e dormir no mesmo horário, por exemplo, já é um primeiro contato com limites. Só não precisa ficar neurótico e deixar de ir ao aniversário de um amigo no sábado para não atrasar o horário do banho. Permitir-se sair da rotina de vez em quando é saudável para que a criança aprenda a se adaptar em diferentes circunstâncias.

Firmeza
Ao conversar com a criança, olhe nos olhos dela e seja firme, mas sem alterar o tom de voz, pois ela responde mais ao modo como falamos do que às palavras propriamente ditas.

Combinado
É válido em qualquer situação! O recurso é o preferido do professor universitário Luis Mauro Martino, pai de Lucas, 2 anos. “Outro dia ele estava indo para escola e queria comer sanduíche no caminho. Então, eu disse: ‘Vamos primeiro para a escola e na volta a gente come um sanduíche, combinado?’. Ele imediatamente ficou feliz e falou: ‘Combinado’. É assim que vem aprendendo que não pode ter tudo o que quer”, conta.

Exemplo
Quando se fala em limites, o exemplo é fundamental. Se o seu filho está gritando, pare e preste atenção: alguém no círculo social dele deve fazer o mesmo.Quando você respeita o próximo e as regras sociais, ele também o fará com mais facilidade. Por isso, nada de furar a fila, parar na faixa de pedestres ou xingar no trânsito!

Mesmo discurso
Os limites que você dá para seu filho podem ser diferentes dos que seus  irmãos dão para os deles. Afinal, isso depende da cultura, da crença e do jeito de cada um encarar a vida. Por isso, cabe deixar claro, principalmente para tios e avós, quais são as suas regras e pedir para que elas sejam respeitadas.Quando seu filho questionar essas diferenças, explique suas escolhas.

Castigo
Deve estar de acordo como erro e a personalidade da criança, além da idade. Para algumas, fazmais efeito deixar no quarto por algum tempo, para outras, é tirar o brinquedo preferido. Mas um aspecto não há o que discutir: violência só reprime, não educa. A analista de sistemas Michele Rodrigues, mãe de Pedro, de 3 anos, aprendeu isso na prática. Ela era adepta da palmada e achava exagero quando falavam que era uma agressão. Porém, começou a  reparar que Pedro estava ficando violento. “Eu não queria aquilo. Passei a ler sobre o assunto, a controlar minha própria raiva e compreender os motivos dos ataques de birra dele”, diz. Agora, ela se afasta, se acalma e então conversa com ele de maneira tranquila – e já vem notando
melhoras no filho.

Reforço positivo
Elogiar sempre funciona (e é muito mais gostoso do que receber uma crítica, não é?). Não aponte só os erros, lembre-se de valorizar os acertos. Se o seu filho não guardou os brinquedos hoje como você pediu, repreenda-o. Mas se amanhã guardar tudo, faça festa! Você verá a alegria nos olhos dele ao ver que foi reconhecido.

Não é não, e ponto
Quando o que está em jogo é a integridade física da criança, como pôr o dedo na tomada ou mexer no fogão, não há o que discutir, certo? É aí que entramos incansáveis “nãos” – não é à toa que, muitas vezes, a primeira palavra que a criança aprende a falar é essa. Vale insistir e desviar a atenção dela para um brinquedo que goste, por exemplo. Esse “não” deve continuar conforme a criança cresce. É o caso de não correr para a rua sozinho, não aceitar presentes de estranhos e não se expor demais na rede social. São situações em que você até vai explicar os motivos, mas não é não, sem grandes discussões.
Fonte: Revista Crescer 

Espero que tenham gostado.
Dani Prem

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Como você vê o mundo!




O ancião descansava sentado em velho banco à sombra de uma árvore, quando foi abordado pelo motorista de um automóvel que estacionou ao seu lado:
- Bom dia!

- Bom dia! Respondeu o ancião.

- O senhor mora aqui?

- Sim, há muitos anos...- Venho de mudança e gostaria de saber como é o povo daqui. Como o senhor vive aqui há tanto tempo deve conhecê-lo muito bem.

- É verdade, falou o ancião. Mas por favor me fale antes da cidade de onde você vem.

- Ah, É ótima! Maravilhosa! Gente boa, fraterna... Fiz lá muitos amigos. Só a deixei por imperativos da profissão.

- Pois bem, meu filho. Esta cidade é exatamente igual. Vais gostar daqui.
O forasteiro agradeceu e partiu. Minutos depois apareceu outro motorista e também se dirigiu ao ancião:

- Estou chegando para morar aqui. O que me diz do lugar?

O ancião, lançou-lhe a mesma pergunta:

- Como é a cidade de onde você vem?

- Horrível! Povo orgulhoso, cheio de preconceitos, arrogante! Não fiz um único amigo naquele lugar horroroso!

- Sinto muito, meu filho, pois aqui você encontrará o mesmo ambiente.
Assim somos nós...

Vemos no mundo e nas pessoas algo do que somos, do que pensamos, de nossa maneira de ser. 
Se somos nervosos, agressivos ou pessimistas, assim será o mundo e só acharemos problemas e conflitos. Em outras palavras, o mundo tem a cor que lhe damos através das nossas lentes... Da nossa maneira de ver as coisas. 
Se vemos o mundo com lentes escuras do pessimismo, tudo à nossa volta nos parecerá escuro... Envolto em trevas. 
Se estamos turvados pelo desânimo, o universo que nos rodeia se apresenta desesperador. 
Mas, se ao contrário, estivermos otimistas, sentiremos que em todas as situações há aspectos positivos e cheios de entusiasmo. A cor do mundo, portanto, depende da nossa ótica... 
Da maneira como estamos nos sentindo, afinal, o exterior estará sempre refletindo o que levamos no interior. 
Ser otimista é ser gerador de adrenalina emocional, que estimula o sangue, impulsionando ao avanço, à alegria. Cultivando o otimismo nos sentimentos adquirimos visão para perceber o lado bom da vida que nos cerca.

Veja o mundo com muita ALEGRIA e AMOR e SEJA FELIZ !
(autor desconhecido)

Dani Prem







A Felicidade



A felicidade está tão perto da gente.
Mas tão perto que não a percebemos.
Está...
No olhar de uma criança,
Num simples abraço,
Numa palavra de carinho,
Na luz do sol,
No vento que anuncia a chuva,
Nas flores, nos pássaros
No céu, na lua e nas estrelas...
A felicidade esta em todo lugar.
Mas somos cegos, surdos e mudos
Para poder percebe-lá.
Queremos "tocar" a "Dona Felicidade".
Mas ela, é intocável
Só é sentida
Lá dentro do coração...
Vamos abrir todos os nossos sentidos.
Deixá-los livres para perceberem os mínimos detalhes do
dia a dia.
Tente, passe um dia só, percebendo e sentindo seus
"Pedacinhos de Felicidades".
No final do dia,
você irá descobrir que não precisa muito para ser feliz.
Basta juntar os pequenos momentos para que se tornem grandes.

Att
Dani Prem

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Dica de beleza para as mãos

Creme para as mãos:

Ingredientes:
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva morno
  • 1 colher de sopa de mel 
  • 1 colher de sopa de farinha de rosca (é mais grossa) ou de trigo (é mais fina).  Se desejar pode alternar com açúcar cristal.


Misture bem todos os ingredientes até formar uma massa e passe nas mãos friccionando até os pulsos. Em seguida coloque luvas de borracha e deixe agir por 30 min. Para finalizar enxague com água morna. 

Indicações:
Excelente para mãos envelhecidas e ressecadas. 
Pode-se fazer diariamente.

Fica a dica
Dani Prem

Furar ou não a orelha de uma criança?

Uma dúvida recente que tomou conta dos meus pensamentos foi sobre furar ou não a orelha da minha filha. 
Se essa decisão cabia a nós (eu e meu marido) ou a ela? 
Que pergunta, lógico que a ela, pois a orelha é dela e não minha ou de meu marido. 

Mas por que a nossa sociedade cobra essas coisas de uma criança do sexo feminino, e pior, Recém Nascido?

Em cada local que eu ia, as perguntas eram as mesmas: Você ainda não furou a orelha dela? 

Depois de protelar por seis meses de vida, decidimos por ela, que iriamos furar a sua orelha, sei que isso foi uma invasão ao corpo dela sem necessidade, apenas por um capricho materno e paterno.

Até então, havia recebido algumas indicações de pessoas da área da saúde (enfermeiras), mas todas eram distantes da minha casa e muito contra mão, e algumas cobravam um valor consideravelmente alto (acima de R$200,00) para um furo em cada orelha.

Até que em uma conversa com uma amiga (Rita), a mesma me indicou um local especializado e de confiança dela para tal procedimento, e o melhor, eles realizavam o furo com o método da acupuntura, o que para mim é importantíssimo, uma vem que sou adepta a está técnica. 
Enfim, furei a orelha dela!!

Agora se você está lendo este post e ficou com a mesma dúvida, pense bem, hoje eu não me arrependo de ter colocado o brinco nela, ficou linda, mas isso é pura vaidade feminina, sei que quando ela crescer pode ser que peça para fazer o segundo furo, ou terceiro, eu mesma tinha três, agora dois, mas uso só um. (risos)

Então se você decidiu por furar, e quer um local de confiança aqui em SP, este local tem este método da acupuntura e eu índico, segue abaixo:

"Oriunda da milenar Medicina Chinesa,  a Acupuntura (acu = agulha; puntura = puncionar) era tida como terapia alternativa pelos ocidentais até pouco tempo,  agora com seus benefícios reconhecidos já é considerada especialidade médica.  Os chineses tradicionais acreditavam que o corpo é formado por matéria e energia e assim o classificaram em grupos de pontos de acupuntura. Estes grupos são interligados por linhas imaginárias que são chamadas de meridianos, por onde circularia a parte energética. Através da punção de determinados pontos do corpo com agulhas especiais, há liberação de substâncias com efeito analgésico e ou anti inflamatório, aliviando dores e outros sintomas.  
A acupuntura auricular apóia-se no conceito de que nas orelhas existem pontos reflexos que correspondem a todos os órgãos, partes e funções do corpo. Estimulando-se estes pontos, o cérebro recebe impulsos que desencadeiam fenômenos físicos nas áreas afetadas, promovendo o reequilíbrio. Daí a possibilidade de, em se fazendo uma perfuração aleatória na orelha,  atingir algum destes pontos e conseqüentemente provocar algum problema ao órgão ou parte do corpo, por isto utilizando o conhecimento do método por acupuntura podemos realizar o procedimento minimizando ao máximo o risco de atingir algum ponto.
Alguns procedimentos devem ser observados pelos pais ou pessoas que queiram utilizar brincos ou adornos

  • Sempre utilize brincos ou adornos fabricados em metal nobre, como : aço inox, ouro amarelo, ouro branco ou platina
  • Em caso de recém nascidos, utilize brincos com fechamento em tarracha, sem que o eixo do brinco a transpasse, para não machucar a nuca do bebê
  • Para crianças acima de 6 meses, caso desejem os pais, poderá ser utilizada uma fita adesiva anestésica (encontrada em drogarias) na frente e atrás do lóbulo, pelos menos 2 horas antes do procedimento
  • A perfuração pode ser realizada de acordo com a orientação de seu pediatra ou a partir dos 15 dias de vida
  • A colocação de brinco ou adorno não leva mais do que 30 minutos. Promovemos a esterilização dos mesmos e em seguida a perfuração é realizada com o próprio brinco
  • Nas crianças com idade entre 3 e 6 anos, nós utilizamos o método da "brinquedoterapia", que consiste em realizar o furo de orelha em uma boneca pela própria criança. O resultado é a permissão da criança para a realização do procedimento sem nenhum receio".
Quem desejar é só entrar em contato e marcar um horário para atendimento, eles são bem atenciosos e cuidadosos, realizam com muita calma e técnica, eu recomento.


Dani Prem

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Dica de óleos essenciais (Aromaterapia)


Óleos essenciais para o parto

- jasmim (Jasminum Officinale) é analgésico e intensifica as contrações

- lavanda (Lavandula Officinalis) é analgésico e tem valioso efeito calmante

Atenção: Os óleos podem ser colocados em difusores, escalda-pés ou ainda diluídos em óleos de base e utilizados para massagem. Compressas também podem ser úteis para o alivio das dores e aceleração do parto, já que ajudam os óleos a penetrarem mais rápido.


Alguns conselhos para uma Gravidez Sadia


1. Evite ficar com o estômago vazio. Coma a cada 3 horas, alimentos leves, dando preferência a frutas cítricas, verduras e legumes. Tome chá de maçã com as refeições, ele ajuda na digestão.

2. Para evitar o enjôo matinal dos primeiros meses, mastigue um pedaço de pão integral seco ou coma um pedaço de maçã pela manhã ao levantar. Inicie a primeira refeição do dia com alimentos mais secos (biscoitos, beiju, pães, torradas.

3. Coma devagar, mastigando lentamente. Nunca se alimente às pressas e muito menos em excesso.

4. Evite frituras e alimentos gordurosos, assim como beber líquidos durante as refeições. Evite também deitar logo após as refeições.

5. Para se livrar dos enjôos, náusea e azia, utilize num aromatizador óleo essencial de bergamota (Citrus Aurantium Bergamia) ou laranja (Citrus aurantium linne) ou deixe em sua bolsa um lenço com algumas gotas deste óleo para cheirar quando sentir náusea ou enjôo. Esta é a aromaterapia.

6. O aumento de peso da gestante não deve passar de 1 quilo por mês. Se você engordar mais do que isso, diminua os carboidratos e as gorduras.

7. Evite tomar laxantes. Se a dieta de cereais integrais, frutas e verduras não for suficiente para estimular o intestino, experimente uma destas alternativas:
· no café da manhã, tome 1 colher (de sopa) de farelo de trigo diluída em leite ou suco de frutas;
· deixe de molho, de um dia para o outro, 1 colher (de sopa) de sementes de linhaça; coma de manhã, misturadas com 1 colher (de sopa) de mel;
· procure comer mais polpa de mamão, (não é recomendado comer o caroço) ou então algumas ameixas secas deixadas de molho durante a noite.
. coma também, tamarindo, bagaço da laranja, inclua nas refeições mais fibras, encontradas em folhas, principalmente as verdes escuras, nas frutas e nas frutas secas.
. mude os alimentos para alimentos integrais, como por exemplo o pão branco e o arroz, para pão e arroz integrais.
. use mais azeite no preparo dos alimentos, nos casos mais graves, recomenda-se tomar uma colher de sopa dele puro ao deitar.
. Tome bastante água, coma muitas frutas, legumes e verduras.

8. Após o quarto mês, não esqueça de tomar cálcio. Peça orientação para seu médico.

9. Se for uma gravidez planejada é importante o ácido fólico antes de engravidar, caso não tenha sido, faça o pré -natal o quanto antes puder.

10. Para evitar a anemia, comum nos últimos meses de gravidez, tome sucos verdes (misturas de agrião, espinafre, salsa, escarola, couve, mastruz), cujo gosto pode ser atenuado com pepino, cenoura, erva-doce ou beterraba. Existe outro método simples de ingerir ferro que é bastante curioso: todas as noites, enfie 12 pregos numa maçã ácida; de manhã, retire-os e coma a maçã. Aproveite os mesmos pregos para a maçã do dia seguinte. O método é muito eficiente, pois o ácido málico presente na fruta provoca a oxidação do ferro, que é facilmente absorvido pelo organismo. Às vezes a acloridia (ausência de ácido clorídrico na secreção gástrica) do estômago das gestantes dificulta a absorção do ferro; pode-se então usar o ácido hidroclorídrico D3 (10 gotas em água antes de cada refeição).

11. Em caso de edemas (inchaços) é necessário diminuir o sal e comer hortaliças diuréticas, como: salsão, chuchu e erva-doce, ou fazer uma dieta de arroz cozido sem sal, várias vezes ao dia. Essa dieta também é ótima quando há aumento de pressão arterial ou ameaça de eclampsia. No dia da dieta de arroz sem sal, a grávida deve ficar de preferência em repouso, e pode tomar chás diuréticos, como equisetum (cavalinha), cidreira, cabelo-de-milho ou chá renal. Não usar outros chás, como carqueja, abacate, etc., que podem ser abortivos.

12. Não tome nenhum remédio sem antes falar com seu médico - vários medicamentos têm efeitos prejudiciais graves sobre o feto, como retardamento mental e malformações, entre outras alterações.

13. Está provado cientificamente que mulheres que fumam dão à luz crianças de baixo peso - em média, cerca de 250 gramas a menos que crianças de mães não fumantes; quanto à ingestão de álcool, pode provocar no feto má formações cranianas e faciais, dependendo da quantidade e da frequência. Portanto nada de cigarros e álcool.

14.Faça exercícios, alongamentos, Yoga, receba massagem, cuide de você...







Sentada com um membro inferior estendido e outro cruzado sobre o joelho, segurar o membro inferior e promover o alongamento de encontro ao tronco. Repita para a outra perna.

Bom é isso pessoal...
Dani prem

Indicações reais e fictícias de cesariana

Atenção futuras mamães, se seu GO está afirmando a você que uma ou duas cesáreas anteriores é motivo para cesariana, que 41 semanas de gestação é motivo para cesariana, que bebê pélvico é motivo para cesariana, leia o texto abaixo e repense se esta sendo enganada pelo seu GO, caso a resposta tenha sido SIM, sinto muito, mas suas chances de passar por uma violência Obstétrica são grandes, então procure se informar direitinho, e não tenha medo de pedir ajuda ou mudar de GO.
Hoje posso dizer que só a mulher que não busca informação sobre o assunto passa por violência Obstétrica,  vamos acordar e fazer valer nossos direitos. 


Agora se você quer fazer uma cesária, isso é uma opção que cabe somente a você decidir e falar SIM, mas lembre-se nosso corpo já é preparado para parir. 


Indicações reais e fictícias de cesariana


A presente lista de indicações de cesariana circula na Internet desde 2005, quando eu publiquei a primeira versão em uma comunidade do Orkut ("Cesárea? Não, obrigada!"), e desde então tem sido amplamente divulgada, crescendo lamentavelmente a cada dia, porque estou sempre me deparando com gestantes querendo esclarecimentos ou mulheres que contam suas próprias histórias ou histórias de amigas. 
Recentemente, Ana Cristina Duarte, obstetriz e amiga, fez alguns acréscimos e organizou a lista em ordem alfabética, motivo pelo qual lhe dou os créditos da presente versão. É de domínio público, usem à vontade, mas preferentemente remetendo à fonte, ou seja, Amorim & Duarte (2012), com link para esta página da Web.
Não temos a pretensão de cobrir todas as possíveis indicações de cesariana, apenas começamos a elencar sobretudo as "não indicações" mais frequentes.
Para uma leitura mais aprofundada e baseada em evidências, eu recomendo a série de artigos que publicamos na revista Femina, "Indicações de Cesariana Baseadas em Evidências".
Segue a lista (em constante atualização):


INDICAÇÕES REAIS E FICTÍCIAS PARA A CESÁREA

Algumas indicações de cesariana
REAIS

1) Prolapso de cordão – com dilatação não completa;
2) Descolamento prematuro da placenta com feto vivo – fora do período expulsivo;
3) Placenta prévia parcial ou total (total ou centro-parcial);
4) Apresentação córmica (situação transversa) - durante o trabalho de parto (antes pode ser tentada a versão);
5) Ruptura de vasa praevia;
6) Herpes genital com lesão ativa no momento em que se inicia o trabalho de parto.

PODEM ACONTECER, PORÉM FREQUENTEMENTE SÃO DIAGNOSTICADAS DE FORMA EQUIVOCADA

1) Desproporção cefalopélvica (o diagnóstico só é possível intraparto, através de partograma e não pode ser antecipado durante a gravidez);
2) Sofrimento fetal agudo (o termo mais correto atualmente é "freqüência cardíaca fetal não-tranqüilizadora", exatamente para evitar diagnósticos equivocados baseados tão-somente em padrões anômalos de freqüência cardíaca fetal);
3) Parada de progressão que não resolve com as medidas habituais (correção da hipoatividade uterina, amniotomia), ultrapassando a linha de ação do partograma.

SITUAÇÕES ESPECIAIS EM QUE A CONDUTA DEVE SER INDIVIDUALIZADA, CONSIDERANDO-SE AS PECULIARIDADES DE CADA CASO E AS EXPECTATIVAS DA GESTANTE, APÓS INFORMAÇÃO

1) Apresentação pélvica (recomenda-se a versão cefálica externa com 37 semanas mas se não for bem sucedida, discutir riscos e benefícios com as gestantes: o parto pélvico só deve ser tentado com equipe experiente e se for essa a decisão da gestante);
2) Duas ou mais cesáreas anteriores (o risco potencial de uma ruptura uterina – variando de 0,5% - 1% - deve ser pesado contra os riscos de se repetir a cesariana, que variam desde lesão vesical até hemorragia, infecção e maior chance de histerectomia);
3) hiv/aids (cesariana eletiva indicada se HIV + com contagem de CD4 baixa ou desconhecida e/ou carga viral acima de 1.000 cópias ou desconhecida); em franco trabalho de parto e na presença de ruptura de membranas, individualizar casos.

Algumas desculpas utilizadas pelos profissionais para realizar uma DESNEcesárea (em ordem alfabética)

  1. Abdominoplastia prévia
  2. Aceleração dos batimentos fetais
  3. Adolescência
  4. Ameaça de chuva/temporal na cidade
  5. Anemia falciforme
  6. Anemia ferropriva
  7. Anencefalia
  8. Artéria umbilical única
  9. Asma
  10. Assalto ou outras formas de violência (gestante ou familiar foi vítima de assalto, então o bebê pode ficar estressado)
  11. Bacia "muito estreita" 
  12. Baixa estatura materna 
  13. Baixo ganho ponderal materno/mãe de baixo peso
  14. Bebê alto, não encaixado antes do início do trabalho de parto
  15. Bebê profundamente encaixado 
  16. Bebê que não encaixa antes do trabalho de parto
  17. Bebê "grande demais" (macrossomia fetal só é diagnosticada se o peso é maior ou igual que 4kg e não indica cesariana, salvo nos casos de diabetes materno com estimativa de peso fetal maior que   4,5kg. Não se justifica ultrassonografia a termo em gestantes de baixo risco para avaliação do peso fetal). 
  18. Bebê "pequeno demais" 
  19.  Bebê engolindo o líquido amniótico
  20. Bebê flagrado apertando o líquido amniótico durante a ultrassonografia, o que aparentemente levou a bradicardia
  21. Bolsa rota (o limite de horas é variável, para vários obstetras basta NÃO estar em trabalho de parto quando a bolsa rompe) 
  22. Calcificação da sínfise púbica (alegando-se que ocorreria em TODAS as mulheres com mais de 35 anos, impedindo o parto normal)
  23. Candidíase
  24.  Cardiopatia (o melhor parto para a maioria das cardiopatas é o vaginal) 
  25. Cegueira materna
  26. Cesárea anterior 
  27. Chlamydia, ureaplasma e mycoplasma
  28. Circular de cordão, uma, duas ou três “voltas” (campeoníssima – essa conta com a cumplicidade dos ultrassonografistas e o diagnóstico do número de voltas é absolutamente nebuloso) 
  29. Cirurgia gastrointestinal prévia 
  30. Colestase gravídica
  31. Coleta de sangue do cordão umbilical para congelamento e preservação de células-tronco
  32. Colo grosso, colo posterior, colo duro, colo alto e (paradoxalmente) colo curto
  33. Colostomia (sim, porque é melhor fazer uma incisão abdominal perto do estoma com fezes do que um parto normal bem distante da área...)
  34. Conização prévia do colo uterino
  35. Condilomas (verrugas genitais) que não provocam obstrução do canal de parto.
  36. Constipação (prisão de ventre)
  37. Cálculo renal 
  38. Data provável do parto (DPP) próximo a feriados prolongados e datas festivas (incluindo aniversário do obstetra)
  39. Datas significativas como 11/11/11 ou 12/12/12 (ainda bem que a partir de 2013 precisaremos esperar o próximo século) 
  40. Diabetes mellitus clínico ou gestacional 
  41. Diagnóstico de desproporção cefalopélvica sem sequer a gestante ter entrado em trabalho de parto e antes da dilatação de 8 a 10 cm
  42.  Dorso à direita, dorso posterior, ou dorso em qualquer outro lugar
  43. Edema de membros inferiores/edema generalizado
  44. Eletrocauterização prévia do colo uterino
  45. Endometriose em qualquer grau e localização
  46. Enxaqueca materna
  47. Epilepsia e uso de qualquer droga antiepiléptica
  48.  Escoliose
  49. Espondilite anquilosante – Qualquer espondiloartropatia
  50. Estreptococo do Grupo B (EGB) no rastreamento com cultura anovaginal entre 35-37 semanas
  51. Exérese prévia de pólipos intestinais por colonoscopia
  52. Falta de dilatação antes do trabalho de parto
  53. Feto com “unhas compridas” 
  54. Feto morto 
  55. Fibromialgia 
  56.  Fratura de cóccix em algum momento da vida
  57.  Gastroplastia prévia (parece que, em relação ao peso materno, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come) 
  58. Gestação gemelar com os dois conceptos, ou o primeiro, em apresentação cefálica 
  59. Gestante saudável demais, correndo o risco de ter um parto fácil e muito rápido, podendo parir antes de chegar ao hospital, com risco de morte do bebê
  60. Gravidez não desejada
  61. Grumos no líquido amniótico
  62. Hemorroidas
  63. Hepatite B e hepatite C
  64. Hérnia de disco, operada ou não, em qualquer segmento da coluna vertebral
  65. Hérnia inguinal, hérnia incisional e hérnia umbilical
  66. Hiperprolactinemia 
  67. Hipertireoidismo
  68. Hipotireoidismo
  69. História de cesárea na família 
  70. História de câncer de mama ou câncer de mama na gravidez 
  71. História de depressão pós-parto
  72. História de natimorto ou óbito neonatal em gravidez anterior 
  73.  História de trombose venosa profunda 
  74. História familiar de fibrose cística do pâncreas
  75. HPV com ou sem NIC
  76. Idade materna “avançada” (limites bastante variáveis, pelo que tenho observado, mas em geral refere-se às mulheres com mais de 35 anos) 
  77.  Incisura nas artérias uterinas (pesquisada inutilmente, uma vez que não se deve realizar oplervelocimetria em uma gravidez normal) 
  78. Incontinência urinária de esforço ou estar fazendo muito xixi no final da gravidez
  79. Infecção urinária 
  80. Inseminação artificial, FIV, qualquer procedimento de fertilização assistida (pela ideia de que bebês “superdesejados” teriam melhor prognóstico com a cesárea) – motivo pelo qual esses bebês aqui no Brasil muito raramente nascem de parto normal 
  81. Insuficiência istmocervical (paradoxalmente, mulheres que têm partos muito fáceis são submetidas a cesarianas eletivas com 37 semanas SEM retirada dos pontos da circlagem) 
  82. Laparotomia prévia 
  83.  Lesão medular (habitualmente acarretando paralisia: tetraplegia, paraplegia, hemiplegia, diplegia, dependendo do nível da lesão): essas mulheres em geral são cadeirantes e podem ter partos sem dor, mas o diagnóstico não é indicação de cesárea!
  84. Líquido amniótico em excesso
  85. Magreza da mãe
  86. Malformação cardíaca fetal 
  87. Mecônio no líquido amniótico (só indica cesariana se houver associação com padrões anômalos de frequência cardíaca fetal, sugerindo sofrimento fetal)
  88. Mioma uterino (exceto se funcionar como tumor prévio) 
  89. Miscigenação racial (pelo “elevado risco” de desproporção céfalo-pélvica) 
  90. Neoplasia intraepitelial cervical (NIC) 
  91. Obesidade materna
  92. Paciente “não tem perfil para parto normal”
  93. Paciente “não ajuda para o parto normal” (momento vidente ON: “no fundo ela quer cesárea”)
  94. Parto “prolongado” ou período expulsivo “prolongado” (também os limites são muito imprecisos, dependendo da pressa do obstetra). O diagnóstico deve se apoiar no partograma. O próprio ACOG só reconhece período expulsivo prolongado mais de duas horas em primíparas e uma hora em multíparas sem analgesia ou mais de três horas em primíparas e duas horas em multíparas com analgesia. Na curva de Zhang o percentil 95 é de 3,6 horas para primíparas e 2,8 horas para multíparas) 
  95. “Passou do tempo” (diagnóstico bastante impreciso que envolve aparentemente qualquer idade gestacional a partir de 39 semanas) 
  96. Perineoplastia anterior
  97.  Pé nas costelas
  98. Pé torto congênito
  99. Placenta grau III ou II ou I ou qualquer outra classificação placentária
  100.   Placentas baixas não oclusivas do colo do útero
  101. Plaquetopenia
  102. Pólipos uterinos
  103. Possível falta de vaga em maternidade para um parto normal, caso a gestante não marque a cesárea
  104. Pouco líquido no exame ultrassonográfico (sem indicação no final da gravidez em gestantes normais)
  105. Praticar musculação ou ser atleta
  106. Pressão alta
  107. Pressão baixa
  108. Problemas oftalmológicos, incluindo miopia, grande miopia, ceratocone  e descolamento da retina 
  109.  Profissão professora
  110. Prolapso de valva mitral 
  111. Prótese de quadril
  112. Qualquer malformação fetal incompatível com a vida 
  113. Qualquer procedimento cirúrgico durante a gravidez 
  114. Queloide ou tendência a queloide podendo complicar uma episiotomia (e a cesárea não? E para que fazer episiotomia?)
  115. Reação vasovagal
  116. Sedentarismo
  117. Septo uterino/cirurgia prévia para ressecção de septo por via histeroscópica
  118. Ser bailarina 
  119. Sono fetal (bebê que dorme durante o trabalho de parto)
  120. Suspeita ecográfica de mecônio no líquido amniótico 
  121. Síndrome de Down e qualquer outra cromossomopatia
  122. Síndrome de Ovários Policísticos (SOP)
  123.  Tabagismo 
  124. Trabalho de parto prematuro
  125. Tricomoníase
  126. Trombofilias
  127. Trombose venosa profunda
  128. Varizes uterinas 
  129. Uso de antidepressivos ou antipsicóticos
  130. Uso de aspirina
  131.  Útero bicorno
  132. Útero retrovertido
  133. Vaginose bacteriana
  134. Varizes na vulva e/ou vagina
  135. Violência urbana, impedindo obstetra (famoso) de sair de casa à noite ou alegada como pretexto para que as gestantes também não sigam o perigoso percurso até a maternidade


De autoria de Melania Amorim. 
Cujo currículo está disponível na Plataforma Lattes.
Extraído do Blog da mesma com autorização para a divulgação